O carrasco de Assunção Esteves

Já não escrevia aqui há meses. Meses.

Mas hoje, enquanto conduzia, ouvi na rádio os acontecimentos na Assembleia da República (AR)

Cerca de 60 pessoas, pediam a demissão do governo e interromperam o plenário.

No final, Assunção Esteves, enquanto pedia respeito para os deputados citou Simone de Beauvoir, chamando diretamente carrascos aos Portugueses e comparando-os aos opressores Nazis que invadiam França em plena II Guerra Mundial.

À doutora Assunção Esteves só tenho a dizer umas coisas:

  • Quem quer ser respeitado não pode ofender quem (não) lhe paga…
  • Não pode ter medo de ser julgada e avaliada diariamente. A AR é um espaço dos Portugueses e não admito que centena e meia de homens e mulheres se achem superiores aos restantes 10 milhões;
  • Não pode prescindir do lindo ordenado de 5.219,15€ que ser Presidente da AR lhe conferiria só para manter a reforma de 7.255€ que 10 anos no tribunal Constitucional lhe conferem, e não prescindir de 2.133€ de ajudas de custo.
  • Não pode, só porque ficou muito incomodada com meia dúzia de gritos, dizer que quer mudar as regras de acesso à galeria da AR.

Pois deixem-me terminar de uma forma clara, para que não fiquem duvidas.

Eu aqui, carrasco de Assunção Esteves me assumo e pela grave ofensa às dezenas de Portugueses que se manifestaram (mesmo sem ter o direito de o fazer) e a todos os Portugueses, só posso dizer: obviamente demita-se!

Se o primeiro cargo da democracia Portuguesa está ocupado por um velho inoperante – e que ontem se lembrou de colocar um carimbo de validade a um governo democraticamente eleito – o segundo cargo da hierarquia não pode estar ocupado por quem compara Portugueses com os carrascos Nazis. Não pode!!!