A ovelha tresmalhada

Sinceramente não sei, mas desconfio que seja um problema meu.

Provavelmente serei, neste rebanho global que chamamos Mundo, uma ovelha tresmalhada. Mas não consigo imitar os méé’s histéricos que se apoderam deste País em algumas situações…

Vem isto a propósito dos Jogos Paralímpicos a decorrer neste momento em Pequim.

Mas o que tem este gajo agora contra os jogos paralímpicos?

Esta deve ser provavelmente a pergunta que vos assola neste momento e aqui chegados. Para vos poupar trabalho de lerem até ao fim, posso já simplificar e responder: nada!

Aliás, acho meritório tudo aquilo que por lá se consegue realizar e o realizar do sonho de diversos atletas, muitos deles com grandes sacrifícios pessoais para lá conseguir chegar.

O meu problema passa mesmo pela estúpida, arrogante e desprestigiante cobertura jornalística que as nossas televisões, as nossas rádios e os nossos jornais fazem deste evento.

Tal como aconteceu com a maior parte dos atletas que integravam a comitiva Portuguesa nos Jogos Olímpicos, a maior parte destes atletas – para não dizer 100% – são completos desconhecidos no seu País, esquecidos pela comunicação social e pela sociedade.

No entanto, estão dispostos a grandes sacrifícios para dedicarem, de 4 em 4 anos, 2 semanas das suas vidas em representação deste país que deles e delas não quer saber.

Mas o que se vê na comunicação social? A sede estúpida e cega de medalhas. Queremos é ganhar medalhas e contabilizar medalhas.

Mas não me interpretem mal… Apesar das dificuldades que muitos destes atletas passam diariamente, são, provavelmente, os últimos a querer ser tratados de forma especial ou diferente. E não é isso que pretendo.

O que pretendo, e mesmo fazendo o mea culpa, é perguntar onde andam os canais de televisão quando, um invisual, atleta ou não, não tem um passeio onde circular em segurança nas nossas grandes cidades. O que pretendo é saber quantos artigos de opinião escreveram os directores dos grandes diários nacionais alertando para a falta de condições de acesso das construções, novas ou velhas, das instituições públicas.

Ou eu ando enganado neste País, ou não podemos simplesmente fechar os olhos a todos os atropelos à lei e à ética durante quatro anos e, de repente, ter um súbito interesse pelas modalidades praticadas por estes Portugueses.

E sim, eu também sou parte do problema. Também ignoro os seus problemas e dificuldades durante todo o ano. Mas não exijo medalhas nem apareço apenas para a fotografia a dizer que é “o dia mais bonito do meu mandato“.

4 Replies to “A ovelha tresmalhada”

  1. Raquel Soares says:

    Concordo perfeitamente contigo.
    Quando toca ao Governo receber “louros” para o mandato… eles estão aí…cara alegre …
    Quando toca ao governo fazer “obra”… eles não estão nem aí…
    Bjs.

  2. Raquel Soares says:

    Concordo perfeitamente contigo.
    Quando toca ao Governo receber “louros” para o mandato… eles estão aí…cara alegre …
    Quando toca ao governo fazer “obra”… eles não estão nem aí…
    Bjs.

  3. Assino por baixo a tua opinião.
    E muito embora se diga à boca cheia “é o país que temos”, eu acho que são pessoas como tu que falam e comentam e fazem mexer as águas que nos vão dando a esperança de que o país que temos possa melhorar 🙂 !

  4. Assino por baixo a tua opinião.
    E muito embora se diga à boca cheia “é o país que temos”, eu acho que são pessoas como tu que falam e comentam e fazem mexer as águas que nos vão dando a esperança de que o país que temos possa melhorar 🙂 !

Comentários fechados.