O que atrai as pessoas a um site?

Não é que ligue muito a estatísticas mas de vez em quando olho para elas.

Bem isto a propósito do facto de ter reparado que hoje, tive um aumento anormal de visitas a este humilde blog.

Sendo um blog pessoal sem target definido a não ser eu próprio, a minha família e o meu circulo reduzido de amigos/as e colegas e muito menos sem uma linha editorial definida – não, não tenho tempo para isso – o que leva as pessoas a cá virem?

Eu próprio, apenas cá venho para escrever umas linhas.

A minha família vem cá para saber novidades, ver as figuras tristes que ando a fazer e ver as poucas fotos que aqui coloco.

Os meus colegas, ou por curiosidade ou apenas para serem simpáticos, passam por aqui mas raramente comentam. As poucas excepções contam-se pelos dedos de uma mão.

E os outros?

Sendo um blog assente no WordPress, facilmente instalo plugins que me permitam que uma noticia/entrada no blog seja rapidamente indexada no Google e noutros motores de pesquisa.

Foi desta forma que descobri que o êxito do novo anúncio da TMN também se reflectiu por aqui quando escrevi esta entrada. De repente, e num só dia, quase 30 pessoas vieram aqui parar direccionadas pelo Google quando a pesquisa era “Triplicar o saldo da Minha Tia a Marrocos” ou pequenas variações da mesma frase.

Mas esta não é a keyword que mais pessoas trás ao meu site. Pelo menos para já…

Nos últimos 30 dias várias pessoas chegaram aqui depois de procurarem “sportzone.pt“. Talvez porque em Agosto do ano passado fui dos primeiros a escrever uma entrada sobre a abertura do novo site. Talvez porque desde aí fiquei razoavelmente bem colocado no Google com esta pesquisa.

Isto leva-me a reflectir que, não sendo fácil ganhar dinheiro online, consegue-se maximizar as visitas com um pouco de imaginação e de atenção sobre o que são os hits do momento.

Um site direccionado para a tecnologia tem que forçosamente falar em iPhone, em MacBook Air, no novo KDE ou no desastre que é o Windows Vista.

Um site direccionado para trivialidades tem que falar nas novas mamas da Floribela ou no novo vídeo caseiro da Paris Hilton.

Um site desportivo tem que falar das últimas brigas nos treinos do Benfica, no cabelo corte-de-penico do Paulo Bento ou do mal estar do Quaresma no Porto.

É tudo uma questão de adaptar as notícias que queremos dar aos conteúdos que melhor vendem. Com a prática chega a compreensão de certos anúncios ficam melhor colocados nuns locais e pior noutros.

Penso porém que, em Portugal, o mercado não chegará para viver disto. Obviamente que há excepções. Mas se der para pagar o domínio e o alojamento e ainda tirar uns trocados, melhor ainda.