E prontos, durou 18 dias…

A nova lei do tabaco, que falei aqui teve ontem uma das maiores, senão mesmo a maior, machadada política que se poderia ter dado.

Já se sabia que os políticos deste país de merda não tinham tomates e enquanto a esmola foi grande o povo foi desconfiando.

Pois bem, ontem, em reunião entre a Associação Nacional de Discotecas e o director geral de saúde, Francisco George, houve uma interpretação diferente da lei que está em vigor. Eu chamo-lhe um recuo gigante, mas enfim…

Diz o director que as discotecas se enquadram num número diferente daquele que a própria associação do sector pensava e por isso não fica abrangida pelas quotas estabelecidas para outras entidades, ficando apenas obrigadas à existência de sistemas de ventilação e extracção de ar.

E quem é que imediatamente fica englobado no mesmo saco das discotecas? Os órgãos de soberania, centros comerciais, feiras, aeroportos, estações ferroviárias, locais de trabalho, estabelecimentos de ensino (desde que tenham alunos com mais de 18 anos), lares e salas de espectáculo! Estes só têm agora que pedir um tratamento igual para serem enquadrados nos mesmos pontos de excepção que as discotecas.

Ou seja, ficamos com uma lei de treta para um país de treta!

Foi bom ter ido uma ou duas vezes ao Norte Shopping completamente livre de fumo. Foi bom enquanto durou. Não deve demorar muito até estar terminado.