O Aborto na Madeira

Já sabemos que a Madeira é um mundo à parte neste Portugal de brandos costumes.

Também é conhecida a forte oposição de Alberto João Jardim à recentemente aprovada lei do Aborto.

O que ninguém estava à espera é que este ignorasse simplesmente a Constituição e as Leis da Republica e seja o principal impulsionador para evitar que a interrupção voluntária da gravidez (IVG) seja plenamente cumprida na região autónoma da Madeira.

Mais escandaloso ainda é o líder do PPD/PSD colocar-se ao lado de AJJ. Diz Marques Mendes, que a IVG “comporta alguns encargos não previstos e os serviços de saúde das regiões autónomas são agora regionalizados“.

Mas é aqui que a “porca torce o rabo”.

Segundo o governo regional dos Açores, aplicar a IVG nos Açores custará 60 a 80 mil € por ano. Na Madeira o executivo regional estima em 240 mil /ano.

Sim, é dinheiro. Mas é dinheiro que a Madeira tem.

  • Basta um quarto do subsidio atribuido ao Rali Vinho da Madeira.
  • Ou uma pequena percentagem do orçamento anual do Marítimo, do Nacional da Madeira ou da União da Madeira – subsídios atribuídos a clubes profissionais e em que nenhum madeirense obtem qualquer proveito.

Concorde-se ou não com a IVG, a verdade é que este senhor tem cumprir a lei da mesma forma que outra qualquer instituição Portuguesa ou qualquer Português esteja este na Madeira, no Continente ou nos Açores.

Não chega dizer que não há dinheiro.

search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close