politica, portugal

A nova viragem económica

Caro Sr. Passos Coelho.

Aproveito a oportunidade para lhe agradecer a viragem económica de 2015.

De facto, ainda não tinha recuperado da viragem económica de 2014, que já se tinha seguido à de 2013 que por sua vez tinha sido a precursora da viragem de 2012.

Com tanta viragem eu sei que o Sr. apenas nos quer dizer que, consigo, ficamos na mesma.

Nós, os Portugueses votantes, agradecemos o esclarecimento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No meio disto tudo só falta anunciar que vai regressar à sua conta de Twitter e publicar algumas pérolas como:

ou

ou mesmo

Standard
impostos, politica, portugal

Orçamento de Estado 2015

Sobre o orçamento de estado para 2015 só tenho uma pergunta:

Admiram-se agora se o povo diz que não acredita nos políticos?

Amanhã, que é como quem diz lá para Outubro do próximo ano, quando outros – deste partido ou de outro – ganharem as eleições e começarem a tomar decisões politicas com influência directa no orçamento de estado de governos que ainda estarão para ser eleitos (qualquer coisa do tipo, deixar aprovado em OE2016 que em 2024 será devolvido a cada português 10x mais aquilo que andaram a pagar nos últimos 4 anos) o que é a que as restantes forças politicas vão dizer?

OE2015

Jornal Ecnómico

Cara Maria Luís Albuquerque. Não insulte a inteligência dos Portugueses. Podemos ser pacifistas e moderados. Podemos perceber que só condicionam as opções financeiras e políticas do próximo governo se tudo aquilo que vocês projectam que corra bem, corra bem a dobrar. Mas que ninguém diga que a opção agora tomada não condiciona a execução do OE de 2016 que tem que ser preparada pelo novo governo constitucional que sairá das eleições legislativas do próximo ano.

Standard
imagens, internet, meo

MEO inflexivel

Meo

Foi a 31 de janeiro de 2008 que aderi ao MEO. Fiquei fã desde o dia 01 e convenci muito clientes a mudar da TVCabo, depois ZON e agora NOS, a mudar para MEO.

Como fui relatando ao longo do tempo, sempre fui um cliente satisfeito, defensor das muitas funcionalidades e que raramente tinha problemas – continuo a não ter.

Comecei com o serviço base, ainda no tempo de se poder escolher 10 canais da grelha. Acompanhei a evolução e a introdução de buckets ou packs, para dar uso a canais que ninguém subscrevia. Fui afortunado o suficiente para poder usufruir do serviço de fibra… por uns tempos.

A família cresceu e a mudança de casa programada desde 2001 aconteceu finalmente em Outubro de 2010.

Foi-se a vantagem da televisão e da internet à velocidade da fibra. Nos primeiros 2 anos fomos servidos pelo serviço satélite e uma ligação sapo adsl 6mbps fora da zona sapo.

No total, deixava para o grupo PT, 30€ para o serviço de televisão + 16€ de aluguer da linha telefone + 31€ para o acesso à internet – relembro, à velocidade de 6mbps.
Todos os meses, 77€ e uns cêntimos. Todos os anos quase 1.000€ para o grupo PT.

Chegou o dia em que o ADSL e mudei na hora. Essencialmente porque os 16€ de assinatura de linha de telefone me estava a tirar anos de vida.

Hoje tenho o pacote Meo Total 24 ADSL, com 24mbps de velocidade máxima. Apesar de me prometerem uma sincronização do router a 15mbps, está sincronizado a 12mbps, dos quais tenho disponíveis menos de 10mbps de acordo com as estatísticas recolhidas diariamente pelo serviço SamKnows. Por este belo serviço pago 52€/mês.  600€ e uns trocados todos os anos.

Ontem deu-me para olhar para a oferta de serviços e pacotes do MEO e pensar como melhorar o serviço que a MEO me proporciona e que pago religiosamente, sendo que tenho uma limitação que não posso prescindir. O sistema de alarme da casa está ligado à central via telefone. Um módulo GSM fica por cerca de 250€  por isso para já a solução de telefone é a que melhor nos serve.

Olhando para os pacotes todos da MEO e para o serviço que eu preciso e do qual fazemos uso cá em casa, o regresso ao sistema satélite, a manutenção da internet 24mbps – dos quais só consigo 12mbps e que apenas uso menos de 10mbps – a manutenção do telefone e a associação do telemóvel da Filipa num pacote M4O pareceu-me a melhor opção.

Passaria a pagar 49.99€ por quase o mesmo serviço que tenho hoje – a diferença no sistema TV é para nós negligenciável – adicionando o telefone da Filipa e poupando, não só os 3€ de diferença, mas acima de tudo os 25€ a cada dois meses do pacote de telemóvel dela.

O problema vem agora. Depois de falar com um comercial na linha 16200 e não me saberem responder a todas as minhas dúvidas, mandei como quase sempre o faço, mail para o Provedor de Clientes da Portugal Telecom.
É o único endereço de email que a PT/MEO tem à disposição dos seus clientes.

Expliquei a minha situação e essencialmente pretendia duas coisas:

  • Saber como poderia evitar uma nova fidelização de 24 meses – em tempos tecnológicos 24 meses é um eternidade. Se a NOS ou a Vodafone oferecerem um melhor serviço aqui, estarei preso por 24 meses quando sou cliente desde 2008?
  • Mudando para o serviço satélite e tendo eu 2 boxes satélite em casa, como fazer para não adicionar aos 49.99€ o aluguer mensal de mais uma box que não preciso?

A resposta chegou hoje ao almoço via contacto telefónico e basicamente a posição da PT/MEO é:

  • Não há como escapar a nova fidelização. Estou a mudar de serviço é como se fosse um cliente novo;
  • Não há como escapar ao aluguer da box ou à compra de (mais) uma box pelo valor de 79€. Não interessa se o cliente já foi cliente e quer voltar a ser e não precisa de comprar nova box. Quer, paga!

Posto isto, estou numa encruzilhada. Ou contento-me com o ultimato – não há outro nome a chamar a isto –  da MEO e renovo uma fidelização que não quero ter, ou parto para outra – também com fidelização – e tento o serviço 4G da concorrência (serviço até 40mbps), telefone e televisão satélite por 44.99€.

Vale recordar que, se decidir mudar para satélite e for obrigado a alugar nova box, obrigarei a PT/MEO a instalar um novo prato – que não preciso – e a passar cablagem – que também não preciso – para uma divisão da casa ainda não servida por cabos de satélite.

Enfim! Não sei se os serviços noutros países são assim tão difíceis. Nem a MEO tem culpa de, onde moro, não ter outros acessos (quer dizer, até tem, mas não é nisso que me quero focar) mas não compreendo como, numa empresa deste tamanho, ninguém pensa nestas pequenas coisas… É que não andam cá há 2 dias…

Standard
imagens, impostos, politica, portugal

Petição contra a Lei da Cópia Privada

Jorge Barreto Xavier

O sr. Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, esteve muito ocupado neste verão, trabalhando em segredo na nova versão da Lei da Cópia Pirata…

Já falei da mesma mais abaixo, mas para quem não faz ideia do que falo, a Jonas, compilou uma FAQ sobre a mesma. É clicar e, garanto-vos, ficam sem dúvidas.

Chegou agora a hora de levantarmos os dedos dos Facebook e escrever meia dúzia de dados numa petição digital – daquelas que toda a gente diz que não dá em nada – mas que, desgraçadamente para a Canavilhas (Google for it), até surtiu efeito há dois anos, tempo da famosa PL118.

Agora para que fiques descansado quando, no momento da compra do teu novo iPhone 6+, em vez de pagares 999€ como os restantes europeus, pagares (sei lá, uns) 1.030€, só porque sim ou porque te pode apetecer colocar lá musicas que já comprastes, possas dizer de viva voz: “Fui enganado, não serviu de nada, mas estou de consciência tranquila pois eu assinei a petição!”.

Se não estás para aí virado, pelo menos partilha a mesma, pode ser que alguém conhecido se lembre de uma maluqueira qualquer e, sei lá, assine a mesma e isto até dê em alguma coisa.

Pelo sim, pelo não, aqui ficam mais uma vez dois links importantíssimos: a FAQ da Lei da Cópia Privada e a petição contra a mesma.

Agora depende de nós!

Os links de partilha nas redes sociais estão já aí em baixo. Abusem!

ps: a foto de cima foi retirada directamente do site do secretário de estado.

Standard
mundo, videos

Freddie Mercury

Se Freddie Mercury fosse vivo, fazia hoje 68 anos.

Partiu aos 45 anos.

Happy Birtdhay Freddie…

Standard
casa

Serviço de Apoio a Clientes

we-love-customers

 

O serviço de apoio a clientes nas empresas deste país é uma coisa muito estranho.

É uma sexta-feria, são 16h00, pego no telefone, pesquiso na net o número de telefone da empresa que me instalou as caixilharias em PVC na casa. Marco o número no telemóvel e vou direto para um atendedor automático:

Boa tarde.

Os nossos serviços de momento não estão disponíveis. Informamos que poderá contatar os nossos serviços todos os dias úteis das 09h às 18h. O nosso intervalo do almoço é das 13h às 14h.

Agradecemos desde já o seu contacto.

Então, muito obrigado, digo eu, por ter a mania de ligar no horário de expediente em pleno mês de agosto e não ter ninguém para me atender…

Segunda-feira volto à carga…

Standard
drm, politica, portugal

A lei da cópia privada

Sing Science!

Acabou de ser aprovado em conselho de ministros a proposta de lei referente à cópia privada.

Diz o sr. secretário de estado da cultura (SEC), Jorge Barreto Xavier, que esta é uma matéria complexa – não é – que as as pessoas têm dificuldade em perceber – não tem.

Eu explico… A SPA – sem link que é para se irem foder – que é uma suposta associação de representação dos autores está a ficar sem guito. Basicamente, sempre viveram à custa do trabalho dos autores, sem fazer nenhum, e à custa dos portugueses que suportam esses autores. Em mil novecentos e troca o passo, o Estado Português criou uma lei que permite a qualquer cidadão fazer cópias para uso exclusivo e privado das obras que tivesse comprado. Basicamente, eu podia comprar um CD do Tony Carreira, fazer uma cópia para cassete e ouvir o Carreira no carro. Para compensar os autores o Estado achou por bem colocar uma taxazita nas cassetes virgens que fossem compradas. Servissem essas cassetes para gravar o Carreira ou para gravar a filha da vizinha a cantar, a SPA mamava sempre.

O problema é que a queda de vendas de cassetes virgens tem estado em declínio há muitos anos. Vai daí um grupo de espertalhões no poder central – sejam PS, CDS ou PSD que eu cá não faço distinções – e nas associações que dizem representar os autores tiveram a brilhante ideia de atualizar a lista de componentes sujeitos a taxazita e, já que estavam com a mão na massa, atualizar os valores das ditas cujas.

Assim, agora, tudo o que tenha suporte digital vai mamar com taxa:

  • O cartão de memória para a sua máquina fotográfica: check
  • O disco duro para guardar os vídeos dos seus filhos: check
  • A impressora multifunções que tem lá em casa: check
  • O telemóvel que deu à avó e que tem memória: check
  • O aparelho da MEO que está lá em casa e que permite gravar “As manhãs do Gocha”: check

A lista é imensa e o SEC não percebe que não é o principio da lei que está errado – os autores devem ser compensados – e é por isso que ele acha que a matéria é complexa – já disse que não era?

O que o SEC não explica é porque é que os autores e as suas editoras não incluem esta compensação nas suas obras? Porquê?
Porque razão é que eu vou ter que pagar mais 25€ por um telemóvel apenas porque potencialmente posso querer colocar musicas no mesmo?

O que estes senhores não percebem é que é o país todo – e não apenas os autores – que vai perder.

A Lei diz que o PVP não deve ser alterado e devem ser as empresas importadoras a baixar as suas margens para pagar esta taxa – o que só por si, já seria motivo suficiente para fazer rir qualquer um não fosse isto um assunto demasiado sério.

Ora, isto mostra que, para o consumidor, não será aplicada qualquer outra taxa. Pagamos o produto mais o IVA, certo?
Significa que, para o consumidor, comprar um disco duro na loja da Worten vai ser exatamente igual como até aqui? Não!

Como isto não é um imposto ao consumo, as empresas não o podem passar diretamente para o cliente mas vão incluí-lo no preço de venda ao público, obviamente.

O que significa que os produtos que quiser comprar ficarão ainda mais baratos na amazon.es ou na computeruniverse.com (recomendo) do que comprar na loja da Worten ou Media Markt.

Significa que, não só os autores não vão ver puto do dinheiro que a SPA e amigos lhes prometem (nunca veem), como o estado vai ficar com outros problemas em mãos e ver fluxos de dinheiro a fugir do país.

Quem vier atrás que feche a porta…

Enfim, com políticos deste nível o que podíamos esperar para este país?

PS: Não confundir a proposta de lei agora aprovada com uma licença para pirataria informática. A proposta não permite a cópia indiscriminada de obras protegidas pelos direitos de autor e essa é outra discussão à parte que não convém misturar – e essa é uma das intenções da SPA.

Standard
blog

8 anos | vida nova

Tal como ontem indiquei, o blog vai entrar agora num novo ritmo e o meu objetivo é garantir a criação de conteúdos que me faça voltar a querer escrever regularmente.

Uma das coisas que sinto necessidade de ter “actualizado” é o tema do blog. Aquela coisa chata que dá um figurino diferente ao conteúdo aqui publicado.

Desde sempre o objetivo e a preocupação foi com o conteúdo. A informação. Os bits e bytes que aqui deixo, sendo que a apresentação era (e será sempre) secundária.

No entanto, há apresentações que dão mais ou menos enfoque ao conteúdo e por isso senti a necessidade de encontrar um tema, uma roupagem que permitisse desviar a atenção para o conteúdo, permitindo ou garantindo que os meus visitantes se foquem naquilo que é, para mim, importante: o conteúdo.

Foi assim por isso que passei do tema que tinha e que foi instalado rapidamente:

blog_19082014

para aquilo que vêem agora!

Espero que gostem. Eu por mim, adoro!

Standard